Arquivo para categoria Contemporânea

Restaurant Week Preview: Chakras!

Eeee mais um Restaurant Week começa hoje.. Sábado no almoço rolou um preview no Chakras. Dica do Eric, que já aproveitou a semana passada para experimentar vários. Ou seja, ele ajudou a dar uma pré-selecionada.

Eu nunca fui, mas a Carol, que me acompanhou, já é habitué. Liguei para reservar e fui bem atendido, mas talvez não dê para reservar durante o RW. O evento só ocorrerá nos almoços.

De cara o que chama a atenção é o ambiente. Super aconchegante, com um primeiro ambiente fechado e um segundo aberto, ao bom estilo quintal chique. No mezanino existem uns sofás mega amplos, que mais parecem umas camas. A decoração traz alguns temas orientais, apesar da comida ser contemporânea. Se de dia é agradável, de noite deve ser bem modernoso (veja fotos no site). O teto é retrátil para os dias de chuva. comentário da Carol, as mesas não são próximas umas às outras, o que traz mais privacidade. OK, vamos à comida.

Salada de folhas verdes com palmito pupunha e vinagrete de amoras – O molho é bem interessante, mas salada sempre vai ser salada.

Creme de zucca com queijo chevres e azeite de manjericão – é pequeno, mas muito bom. Recomendado.

Bife de ancho com batata ao forno e molho de ervas aromaticas – pedimos o mesmo prato principal, mas acho que foi a decisão certa. A carne estava ótima, até com a quantidade correta de gordura. E combinação com as batatas e o molho, perfeita.

Morangos flambados no limoncello e sorvete de baunilha – bom, mas não me chamou muito a atenção.

Musseline de chocolate com creme inglês – muito bom! É um mousse de chocolate mais consistente.

Por R$12 você bebe uma taça do vinho da casa. O Malbec é suave e gostoso, o Chardonnay bem seco.

O atendimento variou entre o excelente (o garçom kung fu master) e o um pouco vacilante (o garçom discípulo).

A conta para dois foi R$117. Saiu mais caro por causa do vinho, mas mesmo assim valeu a pena, pois é um restaurante onde normalmente não se gasta menos de 100 reais por cabeça.

Endereço: Rua Melo Alves 294 – Jardins – Tel: 3062-8813

Anúncios

, , , , , ,

3 Comentários

Ají: bailando no Restaurant Week

Levar uma hora pesquisando os estabelecimentos e cardápios do Restaurant Week rendeu! Não estava afim de enfrentar um mar de gente para depois me desapontar. O escolhido para o almoço foi o Ají, restaurante latino contemporâneo no Jardins.

A primeira impressão já era ótima. Muito bem decorado, tem um ar de quintal de casa. O ambiente todo em madeira e com várias plantas. A recepção foi gentil. Tivemos que esperar um pouco por uma mesa, mas o fizemos sem o menor esforço, pois o sofá branco do lounge de entrada é daqueles que te faz torcer por uma fila – muito convidativo. Não demorou muito estávamos devidamente sentados. Pedimos todos os pratos do evento para experimentar. Foram eles:
Pastéis (tequeños) de frango em especiarias servidas com guacamole e creme azedo – O único prato normal da refeição. Parece um rolinho primavera com molho mexicano.
Brandade crocante de tilápia ao gengibre e couve frita – Sensacional. É uma combinação tão acertada que até quem não curte peixe acaba saboreando a tilápia. E a couve frita por cima é ótima, dá uma quebrada no que seria um prato pesado.
Cozido de carnes ao vinho tinto e ervas (picana) sobre creme de batatas e molho de tomate – Muito bom. Os cozidos da vovó deveriam ser assim. Vem com um pedaço de milho no meio.
Ravioli de jerimum e nozes ao ragout de tomate com jabá – O prato é indecifrável, mas é fantástico. O tal do jerimum é abóbora e jabá, carne seca. O molho é absolutamente perfeito. Parece pouco na foto? É porque é realmente pouco. ou seja, te deixa com cara de quero mais.Crème brûlée de maracujá com baunilha – Peça com certeza. O creme tem muito gosto de maracujá, vem até com umas sementinhas no meio e a casquinha vem levemente crocante. Fantastique.
Biscoito gelado de chocolate crocante com sorbet de morango – Estava bom, mas talvez tenha sido ofuscado um pouco pelo crème.

Resumindo, bastante recomendado. E o atendimento também foi impecável, feito pelos garçons descolados e simpáticos, mistura de atendentes do Chilli Beans com Outback.

Endereço: Rua Bela Cintra , 1709 – Jardins – Tel: 3083 4022

, , , , , , , , ,

2 Comentários

Le Roi, happy hour elaborado

O Le Roi é um misto de Bar/Restaurante com ambiente descontraído, mas sem deixar de ser sofisticado. A área externa com mesas e sofás, é mais casual, ideal para um happy hour mais elaborado com os amigos endinheirados. E a parte interna, com alguns móveis mais clássicos, é a opção para um jantarzinho mais fino.

Como eu fui num domingo meio chuvoso, sentamos na área interna e pedimos várias porções de petisquinhos para dividir. E tenho que dizer que os preços eram mais baixos do que eu esperava, considerando o lugar. As porçoes estavam na média de R$20,00 e tudo estava muito bem servido e bem gostosinho. Pedi um bolinho de carangueiro (ou siri?) que estava bem bom. A cerveja long neck custava por volta de R$6,00 a R$8,00. E drinks com Grey Goose por volta de R$ 20,00. Nada absurdo. Um amigo meu pediu um sanduíche, que eu não me lembro se era de filé mignon ou rosbife, mas estava sensacional. Todo mundo da mesa ficou com invejinha. E tb, não pagou mais do que R$ 20,00. Os pratos principais variavam de mais ou menos R$30,00 a R$50,00.

petisquinhos

O público está na faixa dos 30, galera bonita e meio playba. Mas é de se esperar, afinal de contas estamos na Mário Ferraz.

Eu gostei. É um lugar que eu sugeriria para date de fim de tarde e tb para aniversários. Eles trabalham com comanda individual e o sofá da área externa que cabem umas 10 pessoas é bem legal para encontrinhos.

Aos sábados, acho que rola tipo uma quase baladinha/banda.

R. Dr. Mário Ferraz, 514 – Itaim Bibi

Mais lugares bonitinhos:

Clima romântico na Pompéia
In Da Club
Squat Bar: barzinho fofo cool

, , , , , , , ,

2 Comentários

Ban Kao, Tailandês moderninho

Para começar bem o ano, o primeiro post vai ser sobre um lugar com um pouco mais de luxo e glamour do que normalmente vemos por aqui.

Todo fim de ano fazemos um encontro dos ricos e famosos com alguns dos amigos mais próximos. E no ano que acabou de passar, combinamos de ir num Thai no Itaim. Chegando lá, percebemos que a casa tinha fechado e no lugar abriu o Ban Kao.

Pelo nome, já deu pra perceber que o lugar é inspirado na Ásia. A decoração conta com vários elementos Asiáticos, que mistura um ambiente intimista com um toque modernete e luxo Tailandês. Eu achei bem bonitinho, super date-friendly, escurinho, sofazinhos, lounge music.

O triste foi que devido ao trabalho insano no fim de ano, eu cheguei no restaurante muito mais tarde do que o combinado, e o pessoal já estava terminando a sobremesa. Abri o cardápio e estranhei a combinação de comida japonesa, chinesa, tailandesa e sabe deus mais o quê. O curry e o leite de coco predominava em muitos pratos. Acabei optando por um prato com filé mignon e curry, mais pq fui induzida pelo desenho do nível de pimentinhas do prato. Foi o prato mais picante com “carne de verdade” que achei cardápio.

A apresentação do prato me decepcionou um pouco. Achei simplão demais. O sabor estava bom, achei bem apimentadinho, de acordo com minha expectativa. Normalmente eu sempre me decepciono com o nível de ardor da comida. Achei a carne um pouquinho durinha, por ser filé mignon, mas ainda assim estava bom. E a porção é bem servida, dava pra dividir com mais uma menina fácil.

A média de preço dos pratos era de 40-50 reais. Minha conta final deu uns R$ 70, com refri + uma dose de vodca (bem miguelenta por sinal).  Para os que pediram entradinha + prato + sobremesa + alcool, a conta final deu por volta de R$ 120,00. Não é absuuurdamente caro, mas tb não é pra todo dia.

Bottom line: Ambiente muito bom pra levar date, qdo a verba tá folgada. Só se certifique se a outra pessoa é adepta aos temperos asiáticos.

Endereço: R. Manoel Guedes, 444 – Itam Bibi

, , , , ,

1 comentário

Maní: comida contemporânea pra tiuzão

mani_fachada
O lugar é bonito e bem dividido em três ambientes: um mais rústico com cobertura de “trepadeiras”, o salão principal mais austero e o jardim com mesas de madeira que dão um ar de pique-nique. Como eu cismei que queria um lugar de fumante, ficamos esperando mais de uma hora por uma mesa no jardim… Se fosse mesa normal, pegaríamos em menos de 20min.

Ficamos sentados em um dos sofás tomando uns aperitivos pra abrir o apetite (dose black R$24,00 e “caipirinha do porto” a base de vinho do porto R$19,00) que vieram caprichados. Conversa vai, conversa vem, fome aparece e resolvemos pegar uma mesa não-fumante para já ir pedindo os pratos e devorar o couvert que, infelizmente, não era dos mais caprichados: vieram uns pãezinhos, um mandyopan-gigante, queijo de cabra e um patê de ricota, nada d+ (não valeu os R$12,00 por pessoa).
Pegamos um vinho, afinal de contas se é pra gastar gasta direito e, como não entendo nada dessa coisa enóloga, fui direto no Cabernet Sauvignon com preço não exorbitante e no final era um que eu já experimentei e tinha gostado: Hight Tide Isla Negra 2007 (R$97,00 a garrafa – você acha por R$64,00 na Enoteca Fasano).
Os pratos chegaram assim que conseguimos um lugarzinho no fumódromo, e eles estavam muito bons. Bons em qualidade e sabor, mas em tamanho… pfff Difícil ser gordão em restaurante metido a chiquetoso. Pedi um bobó a maní (camarões tamanho médio sobre purê de mandioquinha com “molho bobózento” – R$55,00) que estava bem saboroso, com os camarões no ponto certo. Minha “kerida” pediu um filé não lembro o nome (filé mignon com batata laminada gratinada – R$45,00) cuja a batata estava muito boa e a carne também bem feita.
Não pegamos sobremesa – ufa, economia de uns cinquenta contos – e fechei com um cafezinho pra rebater (nespresso ristretto R$4,90) pra ver se acordava um pouco porque já era mais de meia noite. Resumindo, é um lugar bem legal pra ir a dois e curtir uma noite de tiuzão-com-grana, mas não rola ir direto devido ao ticket alto… Vem megasena, veeeem!
Prós: Lugar bonitão e íntimo para curtir uma comida boa e conversar.
Contra: Caro (pelo menos para meus padrões) e como não tem muitas mesas deve rolar filas homéricas ainda mais por ser um dos restaurantes destaque do ranking da Vejinha (melhor comida contemporânia já há alguns anos).
Endereço: Rua Joaquim Antunes, 210 – Jardim Paulistano – Tel: 11 3085-4148

Ficamos sentados em um dos sofás tomando uns aperitivos pra abrir o apetite (dose black R$24,00 e “caipirinha do porto” a base de vinho do porto R$19,00) que vieram caprichados. Conversa vai, conversa vem, fome aparece e resolvemos pegar uma mesa não-fumante para já ir pedindo os pratos e devorar o couvert que, infelizmente, não era dos mais caprichados: vieram uns pãezinhos, um mandyopan-gigante, queijo de cabra e um patê de ricota, nada d+ (não valeu os R$12,00 por pessoa).

Pegamos um vinho, afinal de contas se é pra gastar gasta direito e, como não entendo nada dessa coisa enóloga, fui direto no Cabernet Sauvignon com preço não exorbitante e no final era um que eu já experimentei e tinha gostado: Hight Tide Isla Negra 2007 (R$97,00 a garrafa – você acha por R$64,00 na Enoteca Fasano).

Os pratos chegaram assim que conseguimos um lugarzinho no fumódromo, e eles estavam muito bons. Bons em qualidade e sabor, mas em tamanho… pfff Difícil ser gordão em restaurante metido a chiquetoso. Pedi um bobó a maní (camarões tamanho médio sobre purê de mandioquinha com molho funghi – R$55,00) que estava bem saboroso, com os camarões no ponto certo. Minha “kerida” pediu um filé-não-lembro-o-nome (filé mignon com batata laminada gratinada – R$45,00) cuja a batata estava muito boa e a carne também bem feita.

Não pegamos sobremesa – ufa, economia de uns cinquenta contos – e fechei com um cafezinho pra rebater (nespresso ristretto R$4,90) pra ver se acordava um pouco porque já era mais de meia noite. Resumindo, é um lugar bem legal pra ir a dois e curtir uma noite de tiuzão-com-grana, mas não rola ir direto devido ao ticket alto… Vem megasena, veeeem!

Prós: Lugar bonitão e íntimo para curtir uma comida boa e conversar de casal.

Contra: Caro (pelo menos para meus padrões) e como não tem muitas mesas deve rolar filas homéricas ainda mais por ser um dos restaurantes destaque do ranking da Vejinha (melhor comida contemporânia já há alguns anos).

Endereço: Rua Joaquim Antunes, 210 – Jardim Paulistano – Tel: 11 3085-4148

OBS: Veja alguns restaurantes japoneses no meu site =P

, , ,

4 Comentários

%d blogueiros gostam disto: