Posts Marcados Bar

Esquentando no Bar Birô e Comida di Buteco

Frio do Alaska e garoa sem fim numa noite de sexta. O que fazer? Comer e beber! Pra variar o Bar Veloso estava abarrotado, então tocamos pro Bar Birô, ao lado do Colégio Etapa.

Começamos light com sopas. Eles tem uma boa seleção – canja de galinha, sopa verde e caldinho de feijão. Não eram extraordinários, mas caíram bem pra dar uma esquentada. Melhor ainda foi o vinho quente, absolutamente perfeito. Pedimos também bastante Serra Malte de garrafa para não perder o costume.

Água na Boca

Uma boa surpresa foi que o bar participava do Comida di Biteco, festival de petiscos que faz absurdo sucesso em Belo Horizonte. Acho que tem a ver com o mineiro ser um povo boêmio demais da conta. Pedimos o prato participante, o Água na Boca (R$29), filézinho à parmegiana, polenta frita, bolinhas de mandioca 4 queijos, pasteizinhos de feijoada e molho ao sugo, patê de salsinha, barbecue e pimenta. Pra mim o destaque foi o bolinho 4 queijos, muito saboroso. A polenta infelizmente veio meio murcha.

A casa contava com uma banda de rock e uma galera mega animada. Como sentamos perto da banda, atrapalhava um pouco a conversa, mas a música era ótima.

A conta ficou R$32 por pessoa, comendo e bebendo bem. Corpo e alma aquecidos, dormi como uma pedra!

Endereço: R. Vergueiro, 1889 – Tel: (11) 5081-4040

, , , , , , , , , , ,

3 Comentários

Becco 388: Uma ótima opção no Higienópolis

Numa quinta-feira qquer da vida, combinamos um jantarzinho pra conhecer o Becco 388. Localizado bem atrás do Cemitério da Consolação, o restaurantinho tem uma vibe casual, arrumadinho e aconchegante. Uma boa opção para um date tranquilo ou um encontro de meninas.

Nesse dia eu estava com vontade de ser mais phyna e ryca então troquei a cervejinha básica por um Martini de rosas com pétalas cristalizadas em açúcar. O drink é lindo, bem de menina, mas achei que faltou um pouco de alcool. Só senti o gosto das rosas e nada de vodka!

De entradinha, pedimos o Brie Dix, que era um folhado com queijo brie e calda de frutas. Eu estava meio descrente, pq não gosto muito de doce + salgado num só prato, mas qdo provamos, era bem delícia! Massa folhada muito bem feita, tudo muito bem equilibrado. Só achei um pouco caro. A porção serve 2 pessoas e custava R$42,00.

Apesar do cardápio não ser extenso, rolou uma dúvida absurda absurda entre pedir o Risoto de Costela ou o Raviolão do dia, que era de camarão. Como pra mim carne vermelha sempre ganha, fui de risoto. O sabor era ótimo, arroz no ponto certo, com mini onion rings. Lá pelo meio do prato, comecei a achar um pouco salgado, mas a Jussa não teve a mesma impressão que a minha, e raspou o prato. hahahah. Os meninos pediram a Milanesa com molho de uvas e Polenta com costela e ficaram super satisfeitos.

De sobremesa, foi o Chocolate Pot de Creme, um bolinho cremoso de chocolate com sorvete.

Ou seja, o lugar é sucesso. Só o preço que achei um pouco alto. Mas como usamos o Grubster pra fazer a reserva, com os 30% de desconto a conta ficou razoável.

Preços:

Entrada: R$42,00
Risoto: R$ 48,00
Milanesa: R$ 39,00
Polenta com costela: R$ 48,00
Sobremesa: R$ 20,00
Martini: R$ 22,00
Suco: R$ 7,00

Endereço: Rua Mato Grosso, 388, Consolação

, , , , , , , ,

4 Comentários

Bartolomeu? Bartodomeu? Barthodomeu!

Pessoal, voltei! (Apesar de temporariamente) Agora na versão carioca!! Pois é, vou tentar trazer algumas dicas do Rio pelo tempo que estiver por aqui. Espero que seja útil para quem for visitar o Rio.

A primeira dica é o Barthodomeu (um bar todo seu), que fica exatamente em frente do tradicionalíssimo Bar Empório. Inclusive, como o maitre do Empório faleceu esses dias, ontem a rua ficou quase intransitável, tamanha a multidão que se formou em frente ao bar.

O Barthodomeu é ótimo para sentar, tomar um chopp, petiscar e jogar conversa fora. A decoração é toda em madeira, com muitas mesas na calçada e ambiente interno bem aberto. A casa tem uma ampla seleção de petiscos, caldinhos, sanduíches e pratos. Por sugestão do Rodrigo (habitué da casa), pedi o escondido de camarão. Vem com bastante camarão, acompanhado de torradinhas, bem diferente, mas achei ele um pouco sem sabor, sem graça. No geral a galera adora. Recomendo o sanduíche de filé com cebolas caramelizadas.

Escondido de Camarão

O bom mesmo da casa é o almoço. Escolhe-se uma carne (em torno de R$20) e os acompanhamentos pede-se a vontade! Arroz com brócolis, feijão, batata, diversas saladas, farofa de alho, farofa de ovos, creme de espinafre, creme de milho, ovos fritos, nhoque ao alho, nhoque a bolonhesa etc etc. Sempre saio rolando de lá. Sugiro o filé mignon à parmegiana.

Filé a parmegiana

Conta do happy hour: R$50, includindo escondido de camarão e algumas cervejas – caro, mas é difícil pagar menos em Ipanema.
Conta do almoço: R$26, incluindo filé de parmegiana e bebida – barato para o bairro e come-se como um rei.

Endereço:  Rua Maria Quitéria, 46 – Ipanema – (21) 2247-8609

, , ,

1 comentário

Update sobre o Squat Bar

Creio que este post vem em boa hora, já que estamos agora na época de comemorações de fim de ano. Há dois sábados atrás fiz uma festinha de despedida minha (vou parar de escrever por um tempo) e de um amigo no Squat Bar. A Tel já tinha escrito sobre o lugar, mas acho que dessa vez foi o teste final (foram 40 pessoas).

No geral, é quase perfeito para quem quer fazer um eventozinho e curte um eletrônico estilo house / lounge. O volume do som é moderado, exceto quando estå próximo a uma das caixas de som. O atendimento é excelente, com todos os atendente super atenciosos e simpáticos. O gerente me apresentou a casa alguns dias antes com bastante detalhe. A seleção de pratos é variada, mas não é excepcional. Muitos pediram comida e não houveram reclamações. Eu só experimentei o falafel, que é razoável, mas que a mim não lembra um falafel tradicional, Estava meio com cara de salada e sem o molho a base de iogurte.

Como a Tel bem já tinha apontado, o melhor da casa é a decoração. Um espaço pequeno que consegue ter vários ambientes, cheio de sofás. O mezzanino é dominado pelas mesas e o som do DJ é bem baixo, o que o torna bom para confraternizações variadas. Para quem quer algo mais happening, pode reservar um dos camorotes. Um fica um pouco mais isolado, no mezzanino. Os outros dois ficam  no ambiente principal, Um meio que se juntando com a galera da balada e outro mais ao canto, com decoração que se assemelha a uma sala de esta com tema retrô (inclui até uma televisão velha). Pegamos este último. Cada camarote custa R$ 400 e dá direito a 2 garrafas de Red Label ou Absolut, 6 energéticos e 10 VIPs. Um valor aceitável dependendo do número de pessoas.

OK, agora aos poucos pontos negativos. Passei o dia anterior ligando e mandando emails para passar a lista e ninguém respondeu. Fui receber uma resposta só no final do dia. Parece que foi um problema do dia, pois todos meus contatos anteriores tinham sido ótimos. Fica apenas uma pessoa na entrada registrando os visitantes, o que faz com que a fila na calçada se estenda até a esquina. A cada dez minutos alguém me ligava para dizer que a fila estava gigante e que tinha uns bofes furando a fila. Acho que eventualmente desistiram de checar quem estava na lista e quem era VIP. Aconteceu que os VIPs acabaram não entrando VIP. O gerente disse que era só passar no caixa para acertar o cartão, mas quem tinha paciência para isso? No final, reclamei e consegui um desconto de 10% no camarote. Outro ponto menor é que faltou energético no meio da noite, mas repuseram o estoque um certo tempo depois.

Em resumo, o lugar é muito bom, mas se quer fazer algo no final de semana (bem mais cheio) e o teu plano é não ter absolutamente nenhum tipo de dor de cabeça com fila, entrada e pagamento, existem outras opções melhores.

6 Comentários

Comidinhas diferentes no Bar Veríssimo

Tenho um amigo que mora no Brooklin. E ele é obcecado pelo Bar Veríssimo. E eu achava que era só pq o bar está a 2 quadras da casa dele.  Após 2 anos de insistência, o grupo foi lá conferir. E não é que é legalzito mesmo?

O bar é bonitinho e casual, frequentado por um público acima dos 30 anos. Não vá esperando barzito de jovem “pra ver e ser visto”. O negócio é mais sussa. Mas isso não significa que não seja lotado. De sexta-feira, se chegar depois das 20:00 já fica difícil arrumar mesa pra uma galera.

O ponto alto é a comidinha. Petisquetes que fogem do trivial. Mesmo não gostando de 100% de tudo que provei, dou ponto pela criatividade.

Pirulito de Rabada no Caixote (R$ 28,00):


Petisco vencedor do Boteco Bohemia 2009 – São 6 porçõezinhas de rabada com polenta, acompanhado de picles de quiabo e ovos de codorna. Vem tudo num caixote de madeira, bem fofo. Vale pela apresentação, pq o sabor é normal. Achei que a rabada não estava macia o suficiente e vinha pouca carne. Já comi melhores, com certeza.

Porção de File Mignon (R$ 33,00):

2 porções de file mignon bem servidas, acompanhado de pão. Acho que foi a comidinha mais simples que provei lá, mas em compensação era MUITO boa. Ideal para matar mesmo a fome, sem querer inovar. Não tem erro.

Mix do Chef (R$ 45,00):


3 andares de Petisquinhos americanizados. Buffalo wings, sticks de queijo e barquinhas de batatas fritas com queijo e bacon. Gostosinho, mas não é nada de outro mundo!

Trouxinha de Marreco com molho teriyaki:

Na teoria parecia legal. A apresentação também achei boa e vem bastante. Mas o sabor, deixou a desejar. Carne muito seca, e o molho tb não estava tão bom assim. Não recomendo.

Caldinho de feijão:

Bem gostosinho, numa porção bem justa.

Provei também uma carne de panela muito boa, que não me lembrei de tirar foto. Vem numa panelinha fofa, com arroz e carninha. Muito bom de verdade!

De sobremesa, pedi uma Sopa de Chocolate (R$14,00):

Vem uma panelinha com chocolate derretido, nem muito denso e nem muito aguado. Acompanha uma taça de sorvete de creme. Perfeito para meninas loucas chocólatras. Pra mim foi meio over… Deu até dor de cabeça, de tão doce que é.

Chopp por 5 reais, que virou a média dos bares por aí né? A conta sempre sai alta lá. Nunca deixei menos de R$ 70 reais.

Tá aí uma dica de lugar pra marcar uma confraternização casual pós-trampo.

Endereço: R. Flórida, 1488 – Brooklin

O Samuel já fez um post sobre o Veríssimo aqui.

, , , , , , ,

13 Comentários

Barzito Japonês: Izakaya Issa

Numa terça-feira, dia que normalmente não tem nada pra fazer, fomos conhecer o Izakaya Issa. No caminho, já recebo um sms de uma amiga que já estava lá: “Abri a porta e entrei no Japão”.

Realmente… o lugar é bem tradicional, pequenino e sem modernidades. Só existem 3 mesinhas baixas que comportam 4 pessoas, uma salinha mais privada que cabem umas 10 pessoas (creio eu) e mais uma meia dúzia de lugares no balcão. Nós fomos em 5, o que foi um número meio infeliz. Acabamos nos apertando na mesinha para 4. Agora que o lugar tá pop (Tem até twitter! @izakaya_issa), procure chegar cedo pra conseguir mesa.

O cardápio é bem variado… Sem conhecer o mínimo de comida japonesa, fica difícil… Mesmo acostumados com comida japonesa, tivemos que recorrer ao google algumas vezes. A tia que atende até tenta ajudar, mas dá vergonha de perguntar toda hora. Um app de iPhone seria muito útil nessa hora.

Queríamos abrir a noite com o Takoyaki, mas a pessoa que fazia Takoyaki (bolinho de polvo) estava ausente. Então, pedimos o Okonomiyaki:

Eu não consigo nem explicar direito o que é. Uma gororoba grelhada, com frutos do mar, carne e repolho, misturado com muita maionese e sapicado com flocos de peixe seco. Parece nojento né? Mas é muito bom, de verdade. Só de escrever esse texto já me deu vontade de voltar.

Queriamos também o Sugaki, uma saladinha de ostras frescas, mas tb não tinha. Para satisfazer a nossa vontade por ostras, a tia nos sugeriu Kaki Sakamushi, que são ostras a vapor:

Estava bom, mas quem come ostras há de concordar comigo que não existe nenhuma maneira de cozinhar ostras que ganhe de oscas fresquinhas.

Tempura misto:

Nos empolgamos e pedimos um Chawan Mushi para cada pessoa… Sopinha de ovo a vapor, com frutos do mar e cogumelos:

Fica quase que na consistência de um pudim. O sabor é suave e estava muito bom, mas não ganha do Pub Kei que fica no Top Center.

Shogayaki – Fatias de filé de porco com molho de gengibre:

Macio, gostosinho, com gosto de feito em casa pela mãe.

Shoyu Lamen para os que não gostam de nada muito fora do default:

Pra acompanhar tudo isso, muito sochu (uma espécie de aguardente japonesa) e cerveja.

Porta copos de crochê… Muito de batchanzinha fofa.

A comida é boa, bem feita, mas não é mágica. O atendimento também não é dos melhores… A demora é constante. Mas a casa tem um ar aconchegante e diferente. Dá impressão que você está na casa da vovó, mesmo eu não tendo parentes japoneses. Impressão de estar no Japão, apesar de nunca ter pisado no Japão.

Conta:

Ps: Vá com uma meia bonitinha… Precisa tirar o sapato para sentar nas cabininhas.
Ps2: Já está aceitando cartão de débito. Mas na dúvida, leve dinheiro.

Endereço: R. Barão de Iguape, 89 – Liberdade

, , ,

16 Comentários

As oscilações do alcool no Wall Street Bar

Fazia um tempo que eu queria conhecer o Wall Street Bar. O conceito do bar é ótimo, simulando o mercado de ações: Quanto mais procura por uma bebida, mais o preço dela sobe. Se a bebida é pouco popular, o seu preço cai.

Então, lá fomos nós até o Itam conhecer o barzinho. Era quinta-feira, e mesmo chegando cedo, não conseguimos uma mesa de primeira. A casa é razoavelmente grande, com 2 andares. Não estava cheia, mas como a gente não tinha reserva, tivemos que esperar no balcão alguém desistir. O problema é que ninguém na porta informou que existia uma lista de espera. Tive que ficar caçando o gerente pra conseguir colocar o nome na lista. Nessa brincadeira provavelmente algumas pessoas passaram na nossa frente.

Finalmente sentados, começa a brincadeira. A comanda é individual e cada mesa possui um monitor touchscreen com o cardápio, preço das bebidas, etc. Pra pedir alguma coisa, é só escolher a opção no monitor, passar o seu cartão-comanda no leitor e esperar o garçom trazer seu pedido. Achei ótimo isso, já que normalmente pra vc conseguir fazer seu pedido num barzinho badalado é preciso fazer malabarismo. Outro fato interessante é que dá pra comprar no monitor a musica ambiente tb. Tipo um jukebox moderno. Cada música custa R$ 2,00. Problema é ter que ficar ouvindo música chata alheia. hahaha.

O preço da cerveja de garrafa nessa noite oscilou entre R$5,00 a R$8,00. Ou seja, mesmo na baixa custa mais do que alguns barzitos por aí. Mas é divertido você acompanhar o sobe e desce dos preços nos painéis de LED, ficar na paranóia de comprar as bebidas na baixa e acabar comprando mais cerveja do que consegue beber. Engraçado que até simulam o crash da bolsa. Uma sirene toca, as luzes piscam e os valores, em teoria despencam. Mas mesmo assim não vi nada ficar extremamente barato.

Endereço: Rua Jerônimo da Veiga, 149, Itaim Bibi

, , , , ,

9 Comentários

%d blogueiros gostam disto: